Tecidos

Válvulas Cardíacas

A utilização das válvulas cardíacas humanas (homoenxertos) criopreservadas apresenta uma série de vantagens relativamente às próteses mecânicas e biológicas, nomeadamente, a resistência à infeção e o fraco poder trombogénico, que torna desnecessária a terapêutica anticoagulante. Estas características fazem dos homoenxertos valvulares o melhor substituto nas endocardites (valvular e protésica) e na correção de malformações congénitas, em grupos de pacientes onde a anti coagulação está contraindicada (crianças, adolescentes, mulheres em idade fértil).

A necessidade de compatibilidade entre dador e recetor relativamente ao diâmetro do anel valvular obriga à disponibilidade no Banco de Tecidos de homoenxertos das mais variadas dimensões, para poder dar resposta imediata aos tecidos requisitados pelos cirurgiões cardíacos. Tal só é possível fazendo uso de um sofisticado método de criopreservação programada em vapor de azoto (- 150 °C), que permite o armazenamento dos homoenxertos durante longos períodos de tempo (pelo menos 5 anos), mantendo as suas características originais.

 

Tecido Músculo-Esquelético

O osso não é um material estático, encontrando-se sujeito a um contínuo processo de renovação e remodelação dos componentes minerais e orgânicos da matriz óssea. O osso é regenerado através dos processos de osteogénese, osteocondução e osteoindução. Assim, os aloenxertos ósseos não se destinam apenas à substituição do osso em falta, como também são fundamentais para favorecer a reabitação celular e a osteocondução.

O tecido músculo-esquelético inclui não só o tecido ósseo, como também tecidos moles, nomeadamente, tendões, menisco e fascia lata, existindo uma grande diversidade destes tecidos. O Banco de Tecidos do IPST assegura a distribuição dos seguintes produtos (congelados ou liofilizados):

  • Cabeça de Fémur;
  • Côndilo Femoral;
  • Diáfise ou Fragmento de Diáfise Femoral;
  • Placa Cortical Femoral;
  • Prato Tibial;
  • Diáfise ou Fragmento de Diáfise Tíbial;
  • Placa Cortical Tibial;
  • Perónio (fíbula);
  • Osso cortical granulado;
  • Blocos de osso esponjoso;
  • Osso esponjoso granulado;
  • Osso bicortical;
  • Osso tricortical;
  • Tendão tibial anterior;
  • Tendão tibial posterior;
  • Tendão peronial;
  • Pata de ganso (tendões recto interno e semitendinoso);
  • Tendão rotuliano;
  • Tendão quadricipital;
  • Tendão de Aquiles;
  • Meniscos;
  • Fascia lata.

 

No caso de indisponibilidade de algum destes enxertos, o Banco de Tecidos procederá à sua importação a partir de um Banco de Tecidos de referência europeia, TSF – Transplant Services Foundation, Barcelona, com o qual celebrou um protocolo de colaboração.

 

Pele

O grande queimado nem sempre dispõe de pele necessária ao revestimento imediato das áreas queimadas. A pele de cadáver é essencialmente usada em queimaduras extensas do 2º e 3º grau. A sua aplicação promove a formação de tecido de granulação que permite, posteriormente a aplicação de autoenxertos.

O aloenxerto desempenha também um papel importante como barreira fisiológica contra a infeção, diminuindo ainda a fuga plasmática e a perda calórica. Permitirá ao paciente atravessar, nas melhores condições, esta fase aguda da sua evolução, assim como possibilita às zonas dadoras de autoenxertos o tempo necessário para a sua regeneração.

Após processamento, os enxertos são mantidos por 5 anos a cerca de – 150 °C, ou preservados em glicerol a cerca de 4 °C, por 5 anos.

 

Membrana Amniótica

A membrana amniótica é a camada mais interna das membranas fetais, formada por uma única camada de células epiteliais semelhantes às da epiderme, dispostas sobre uma espessa membrana basal e uma matriz extra celular avascular de tecido conectivo (estroma). Esta matriz é constituída essencialmente por fibras de colagénio (tipos I, III, IV, V e VII), por elastina, laminina e fibronetina.

As propriedades biológicas únicas da membrana amniótica favorecem a epitelização dos tecidos lesados, além de reduzirem a inflamação, a dor e a formação de cicatrizes. Estas reconhecidas propriedades biológicas, associadas às suas características estruturais e físicas particulares, explicam a sua vasta aplicação clínica em oftalmologia e cirurgia plástica e reconstrutiva, nomeadamente no tratamento de queimados.

O processo de preparação de membrana amniótica seguido no Banco de Tecidos induz a inativação das células epiteliais, preservando a integridade da matriz extra celular. Esta matriz, em virtude da sua composição, constitui um excelente suporte para as células que migram do tecido saudável circundante à zona lesada e sobre a qual foi colocado o enxerto de membrana amniótica.

Como resíduo cirúrgico de dador vivo, as placentas (a partir das quais se prepara a membrana amniótica) são obtidas após consentimento informado de mulheres maiores de idade, saudáveis, com gravidez vigiada e programadas para cesariana eletiva.

 

Tecido Ocular (Córneas)                                                                            

Atualmente a atividade desenvolvida neste âmbito pelo BT do IPST, limita-se à importação de tecido ocular proveniente de Bancos de Córneas de Estados Membros e à sua distribuição a unidades de aplicação (públicas e privadas) autorizadas a realizar o transplante deste tecido.