Apresentação

Foi com o objetivo de responder a muitas situações de doentes que tinham indicação para transplante de medula óssea e não tinham um dador familiar compatível que houve necessidade de criar um Registo Nacional de Dadores Voluntários de Medula Óssea.

O Registo foi criado em 1995 pelo Despacho 22/95 com a designação abreviada de CEDACE (Centro Nacional de Dadores de Células de Medula Óssea, Estaminais ou de Sangue do Cordão). Anteriormente integrado na estrutura do Centro de Histocompatibilidade do Sul, a atividade do CEDACE foi introduzida na orgânica do IPST em Agosto de 2012 dando cumprimento ao disposto na Portaria n.º 165/2012 de 22 de maio.

Em termos de organização e por definição do despacho, compete ao CEDACE:

Organizar os pedidos de dadores de células de medula óssea, estaminais ou de sangue do cordão, nacionais ou internacionais;

Coordenar as atividades de doação, conservação e transplante de células de medula óssea, estaminais ou de sangue de cordão;

Coordenar e organizar em colaboração com os Centros de Histocompatibilidade o recrutamento e aconselhamento de dadores;

Coordenar os dados de tipagem de dadores eventuais e manter atualizado o respetivo registo.

Manter uma relação e informação permanente sobre os dadores eventuais com os centros hospitalares de colheita e transplantação e com as unidades de Imunohemoterapia.

 

A atividade do CEDACE pode ser dividida em três áreas fundamentais:

A atividade de Registo, coordena a atividade nas restantes áreas.

A atividade de Centro de Dador é suportada pelos três laboratórios de histocompatibilidade dos Centros de Sangue e da Transplantação – Área da Transplantação do IPST (Lisboa, Coimbra e Porto)

Atividade de colheita de células para transplantação é suportada pelas Unidades de Colheita do Instituto Português de Oncologia de Lisboa e do Porto e do Centro Hospitalar de Lisboa Norte - Hospital de Santa Maria.

 

A atividade como Registo de Dadores (CEDACE) passa pela ação de comunicação com os Registos Estrangeiros, com os Centros Dadores, as Unidades de Transplantação e Unidades de Colheita Nacionais, coordenação das colheitas de células para doentes nacionais ou estrangeiros, comunicação com dadores, a fim de manter o Registo atualizado e garantir a fidelização destes ao longo do período em que estão inscritos e não são chamados. Controlo da faturação entre as Unidades de Transplantação e Registos Internacionais e a manutenção da base informática nacional, bem como o cruzamento com as bases de dados de Registos Estrangeiros.

A atividade como Centro de Dador corresponde à atividade laboratorial de apoio ao Registo e que está sedeada nos três laboratórios de histocompatibilidade dos Centros de Sangue e da Transplantação – Área da Transplantação do IPST (Lisboa, Coimbra e Porto).

Os Centros de Dadores são responsáveis pelo recrutamento e inscrição de novos dadores, colheitas de amostras e tipagem de dadores nas suas zonas geográficas de influência, cujos resultados são seguidamente enviados para o CEDACE. Os Centros de Sangue e da Transplantação têm, por isso, funções decorrentes da ativação dos dadores sob a coordenação do CEDACE e com âmbito regional.