Reunião de trabalho sobre Doação e Transplantação de Órgãos

 

Reunião de Trabalho sobre Doação e Transplantação de Órgãos reúne toda a Rede Nacional de Coordenação de Colheita e Transplantação

 

Realizou-se no dia 13 de dezembro uma reunião de trabalho sobre doação e transplantação, que decorreu no Centro de Sangue e Transplantação de Lisboa, Área da Transplantação.

O objetivo desta reunião consistiu em apresentar os resultados da atividade de doação e transplantação relativos ao ano 2017, promovendo o diálogo interinstitucional e reforçando a cooperação entre os vários intervenientes no processo de doação e transplantação para o seu sucesso.

Também visou, esta reunião, promover o funcionamento do Registo Português de Transplantação e distribuir dispositivos móveis aos profissionais garantindo uma melhor acessibilidade ao processo de doação e transplantação através do Registo em qualquer fase do processo de doação e em qualquer localização.

A reunião contou com a presença de 35 Coordenadores Hospitalares de Doação, dos 5 Gabinetes Coordenadores de Colheita e Transplantação e de todas as Unidades de Transplantação, num total de 73 participantes.

Portugal tem-se posicionado nos primeiros lugares na doação de órgãos na Europa e no Mundo. Até ao final de novembro de 2017 registou-se um aumento do número de transplantes realizados na ordem dos 7%, comparativamente com o período homólogo de 2011 e um aumento de 16% do número de dadores falecidos nos períodos referidos. Este aumento no número de dadores reflete-se num aumento de 9% do número de órgãos colhidos, o que permitiu que, até novembro de 2017, 735 doentes fossem transplantados a partir de dador falecido.

Por outro lado, assistimos também ao aumento do número de dadores vivos (rim e fígado) e, consequentemente, do número de transplantes realizados com órgãos 

destes dadores, observa-se um aumento na ordem dos 72% face a novembro de 2011.

O êxito obtido por Portugal na área da doação e transplantação é o resultado da cooperação dos vários profissionais envolvidos nesta atividade.

O Registo Português de Transplantação (RPT) é também uma demonstração do envolvimento dos profissionais para o seu sucesso. O RPT é um projeto de âmbito nacional, cofinanciado pelo SAMA/QREN, que serve de suporte a atividades como gestão da lista de espera de candidatos, registo de consultas pré-transplante e follow-up, registo de possíveis dadores e a sua avaliação, registo da colheita e transplante.

Este registo foi desenvolvido durante os dois últimos anos e garante um sistema de informação único e integrado, de âmbito nacional, que permitirá um olhar sobre o futuro da atividade e permitirá a definição de políticas e estratégias nesta área.

O IPST tem vindo a realizar sessões de formação sobre este Registo aos profissionais, tendo dado 254 horas de formação a um total de 305 profissionais.

O envolvimento do IPST neste tipo de projetos demonstra o esforço, empenhamento e dedicação das várias entidades do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde na desmaterialização de todo o processo de doação e transplantação, em benefício dos seus utilizadores, profissionais e utentes.