Medidas SIMPLEX IPST | Transfusões e Transplantes integrados

No domínio das estratégias de modernização preconizadas para o setor da saúde foram implementadas no IPST um conjunto de medidas de simplificação, designadas medidas SIMPLEX, com impacto positivo na vida dos nossos cidadãos, concretamente dos dadores e recetores de sangue, órgãos, tecidos e células mas também dos profissionais envolvidos neste setor, permitindo uma maior simplificação e desmaterialização dos respetivos processos a par de uma melhoria na interação dos cidadãos com o serviço público prestado pelo IPST.

É neste contexto que surge a medida Transfusões e Transplantes Integrados, associada ao projeto Consolidação dos Sistemas Informáticos do IPST. Representando um importante passo da instituição na modernização administrativa, esta medida agora concluída envolveu diversos agentes da área de atividade do IPST, com resultados e benefícios muito concretos aqui testemunhados em primeira mão:

Mafalda Ribeirinho, assessora do Conselho Diretivo responsável pela Gestão de Projetos explica: “Até então, os principais sistemas informáticos nas áreas de atuação do IPST (ASIS, LUSOT, RPT e BPCCU), onde estão registados dados das diferentes atividades num processo clinico ou laboratorial associado, não comunicavam entre si, obrigando a uma transmissão verbal da informação a partilhar, com todos os riscos associados. Através desta medida SIMPLEX, recorrendo a uma plataforma de interoperabilidade que permite a interação destes sistemas entre si, desenvolveram-se processos de circulação de dados entre o ASIS e o LUSOT / RPT / BPCCU, para que os resultados das análises efetuadas em cada uma das atividades indispensáveis a outra atividade no quadro do IPST, fossem consolidados no âmbito da rede física e lógica existente. Com a promoção da circulação da informação de forma automática entre as várias atividades, foi possível desmaterializar a circulação de documentos em papel para efeitos administrativos e reduzir os riscos para a segurança dos doentes associados à deficiente circulação de informação. A conclusão desta medida reflete-se ainda numa melhoria na articulação de cuidados de saúde, com mais informação e maior comodidade para o cidadão/profissionais de saúde traduzindo maior qualidade e segurança na prestação de cuidados."

Catarina Bolotinha da Coordenação Nacional de Transplantação, enquanto Gestora do Projeto, refere que “A transferência automática de informação sobre grupo sanguíneo, virologia ou sobre os doentes necessários colocar em crossmatch para um determinado processo de alocação de órgãos, contribui assim para uma maior segurança, transparência e robustez das atividades de medicina transfusional e de transplantação em Portugal. Não podemos deixar de assinalar a satisfação com a sua implementação, cujo sucesso se deve essencialmente à excelente colaboração entre os profissionais do IPST e dos Hospitais do SNS no seu desenvolvimento, contribuindo para uma correta adequação à atividade nacional.”

Por seu turno, Sandra Tafulo da área da Transplantação do Centro de Sangue e Transplantação do Porto, salienta que “A medida SIMPLEX Transfusões e Transplantes Integrados, entre o Registo Português de Transplantação (RPT) e base de dados da LusoTransplante (LusoT) é uma enorme mais-valia ao permitir que as unidades de transplantação (UTR) façam a inscrição online de candidatos a transplante, o que até então era efetuado via fax. Este registo online numa plataforma segura permite, através da aplicação de circulação de dados LusotApp, a importação automática do registo do(s) candidato(s) para o LusoT, deixando de ser necessária a circulação de papel e a transcrição manual dos dados do(s) doente(s). A circulação de dados permite ainda a inscrição automática na LusoTransplante dos dadores de órgãos referenciados pelos GCCT, obviando mais uma vez a necessidade da transcrição de dados manualmente, e o envio por parte dos CST da lista de candidatos a transplante por ordem de pontuação prevista na legislação Portuguesa. Esta plataforma permite o envio dos dados dos candidatos, e a análise de risco imunológico efetuada pelos CST, de uma forma segura e transparente. Para além disso, a medida SIMPLEX Transfusões e Transplantes Integrados permite ainda o envio de resultados de grupos sanguíneos efetuados no CSTP-S na base de dados da LusoTransplante.

A nível hospitalar, Tiago Nolasco da Unidade de Transplantação Cardíaca do Hospital de Santa Cruz - Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental sublinha que “O RPT online, com a implementação da Medida SIMPLEX Transfusões e Transplantes Integrados, tem-se tornado uma enorme mais-valia e uma ferramenta progressivamente mais essencial. Desde a gestão dos nossos doentes em lista de espera, à importantíssima consulta em tempo real e pelos vários intervenientes de todos os dados e exames das ofertas/transplantes assegurando toda a proteção necessária, e ainda ao Follow-up de todos os nossos doentes transplantados. Tem permitido agilizar e facilitar a comunicação entre os diferentes centros e os gabinetes de coordenação, aumentando a eficiência e transparência de todo o processo de transplantação. Obrigado!”